Riscos de ciberataques corporativos no Brasil são maiores do que a média global

Riscos de ciberataques corporativos no Brasil são maiores do que a média global

A chance geral de usuários corporativos serem atingidos por ameaças cibernéticas para computadores aumentou 24% (de 11,25% para 13,9%) em todo o mundo em um ano. A conclusão é do Relatório da Avast, que analisa ameaças bloqueadas pela companhia de 16 de março de 2021 a 14 de abril de 2021 em relação ao mesmo período de 2020.

De acordo com o levantamento, no Brasil, essa probabilidade é ainda maior: 17,52%. O relatório inclui dados de países, territórios e regiões com pelo menos 10 mil computadores pertencentes a usuários domésticos que foram expostos a ameaças durante o período da amostra e pelo menos mil computadores usados por empresas.

O RELATÓRIO PODE SER VISTO AQUI

A análise considera ameaças totais e avançadas para determinar a taxa de risco. Já a taxa de risco avalia a quantidade de computadores em que as camadas de proteção da Avast interromperam pelo menos uma ameaça em relação ao número total de equipamentos que a solução protegeu proativamente.

Influência da pandemia

Um dos motivos para o aumento global foi a chegada da pandemia de COVID-19, que permitiu que as equipes passassem rapidamente a trabalhar em casa. “Nem todas as empresas foram preparadas com VPNs corporativas seguras e soluções de acesso remoto. Os cibercriminosos se aproveitam disso”, comenta Michal Salat, diretor de inteligência de ameaças da companhia.

O documento analisa, ainda, o risco de ameaças avançadas (mais sofisticadas ou nunca vistas antes) atingirem as empresas. Elas buscam contornar as tecnologias de proteção comuns dos softwares de segurança. Para essas ameaças, usuários corporativos no Brasil tinham taxa de risco de 3,43% contra os 2,29% da média global.

Via: CanalTech
Quer ter mais segurança para sua infraestrutura de redes? Conheça os serviços da MILK Systems, somos uma empresa especializada em backup e segurança da informação.
Ataques cibernéticos a empresas brasileiras crescem 220% no 1º semestre de 2021

Ataques cibernéticos a empresas brasileiras crescem 220% no 1º semestre de 2021

As notificações referentes a ataques cibernéticos contra empresas brasileiras cresceram 220% no primeiro semestre deste ano em comparação com o mesmo período de 2020.

Para Claudio Bonel, analista de dados e fundador de uma startup de Business Intelligence e Analytics, o aumento da atividade hacker está relacionada à implementação do trabalho remoto durante a pandemia. De acordo com ele, o trabalho home-office deixou as empresas mais vulneráveis.

“Os ataques às empresas aumentaram bastante em tempos de pandemia, período em que o trabalho home-office foi implementado em grande escala. Com isso, nós temos um volume maior de acesso remoto, onde as pessoas acessam dados importantes diretamente de casa. Esse maior número de acessos facilita a invasão dos sistemas”, explicou.

Entre os ataques cibernéticos contra as empresas brasileiras, a pesquisa destaca que 37% das notificações foram referentes à “incidente cibernético na área de Tecnologia da informação”. O ransomware – extorsão que pode bloquear o seu computador e depois exigir um resgate para desbloqueá-lo – também é citado no levantamento.

22% dos PCs ainda rodam Windows 7 e podem estar em perigo; entenda

22% dos PCs ainda rodam Windows 7 e podem estar em perigo; entenda

Um levantamento da Kaspersky, empresa especializada em segurança digital, revelou que 22% dos computadores do mundo ainda estão rodando o Windows 7. A popularidade do sistema operacional, principalmente entre o mercado corporativo, pode servir como uma boa porta de entrada para ataques, já que a plataforma foi descontinuada pela Microsoft em janeiro de 2020 e não recebe mais atualizações de segurança.

Números adicionais da pesquisa mostram que, além de quase um quarto dos computadores do mundo operam desta forma defasada, com outros quase 1% dos usuários ainda conectados a plataformas ainda mais antigas, como Windows XP e Vista. Em todos os casos, o perigo envolve a ausência de correções para falhas de segurança conhecidas, disponíveis somente no Windows 10.

A Kaspersky alerta ainda para o fato de muitos destes sistemas operacionais defasados estarem rodando em estruturas de micro, pequenas e médias empresas, que não têm departamentos de tecnologia dedicados ou plataformas robustas de proteção. São, apontam os especialistas, as organizações mais vulneráveis aos ataques, com uma atualização do inventário sendo a principal recomendação nesse sentido.

“Imagine que sua casa está velha e caindo aos pedaços; instalar uma porta nova não trará nenhum benefício”, explica Dmitry Bestuzhev, diretor da equipe de pesquisa e análise da Kaspersky na América Latina. Ele aponta a necessidade de updates como fator essencial, apesar dos custos envolvidos, da familiaridade dos colaboradores e da percebida estabilidade de sistemas antigos. “[Atualizar] é a atitude correta a ser adotada para garantir a segurança e a confiabilidade dos dados, já que o custo de um incidente pode ser substancialmente maior.”

Por outro lado, os pesquisadores apontam para o fato de que 74% dos computadores do mundo estão rodando o Windows 10, o que significa que podem receber as atualizações de segurança mais recentes. Essa, então, é a segunda recomendação, com a aplicação de updates voltados para proteção e solução de bugs sendo essencial para manter o parque tecnológico à salvo das ameaças mais comuns.

Mesmo para estes, a dica é manter sistemas de download e instalação automática de updates sempre habilitados e programados de acordo com a rotina de trabalho. Além disso, é importante manter sistemas de proteção, como antivírus e firewalls, sempre atualizados e ativos, já que eles também ajudam na proteção contra as ameaças mais comuns.

Fonte: CanalTech
Tentativas de ataque cibernético nas empresas aumentaram em 330% em 2020

Tentativas de ataque cibernético nas empresas aumentaram em 330% em 2020

Houve um aumento de 330% no número de tentativas de ataques cibernéticos no Brasil no ano de 2020. Foram mais de 370 milhões de invasões a sistemas corporativos e o número é assustador, já que representa quase o quádruplo da quantidade. O levantamento foi feito pela Kaspersky, empresa especializada em segurança virtual.

O analista de segurança da empresa, Fabio Assolini, explica que o crescimento “está relacionado diretamente à pandemia de Covid-19”, por fatores como o trabalho remoto, o e-commerce e os serviços online.

“Infelizmente, a maioria das empresas acaba pagando o resgate. Nós não recomendamos em hipótese alguma, porque estarão negociando com criminosos”, alertou Assolini.

Já o CEO da GAT Infosec, Leonardo Militelli, apontou uma das vulnerabilidades dos sistemas corporativos no Brasil: “Em média, as empresas levam 116 dias para corrigir uma atualização de sistema operacional.”

Golpes aplicados em pessoa física

Mas não foi apenas os ataques à empresas que aumentaram. Os ataques pessoais, de “sequestro de perfil” no WhatsApp também aumentaram. E pior, golpistas encontraram meios de burlar a autenticação em duas etapas, um processo muito importante na segurança das contas do aplicativo de conversa instantânea.

A situação também foi identificada pela Kaspersky e, segundo os especialistas, o ataque geralmente se inicia com uma ligação, na qual o criminoso finge ser um representante do Ministério da Saúde fazendo uma pesquisa sobre a Covid-19.

Quando a conversa chega ao fim, ele solicita um código enviado por SMS para confirmar as respostas do indivíduo. Em seguida, o golpista liga para a vítima e se passa por um atendente de suporte do WhatsApp.

Dessa vez, o criminoso afirma ter encontrado “uma atividade suspeita” na conta da pessoa e orienta que o usuário solicite um novo código e pedindo para clicar no link enviado por e-mail para que sua conta seja “desbloqueada”.

Fonte: Contabeis

Pequenas e médias empresas são os principais alvos de ataques cibernéticos

Pequenas e médias empresas são os principais alvos de ataques cibernéticos

Está enganado o pequeno empresário que acredita que sua empresa não será alvo de ataques de hackers. Afinal, são as grandes corporações que possuem um robusto banco de dados, grande faturamento e peso no mercado, certo? Na verdade, não.

Segundo um estudo elaborado pelo Sebrae e pela FGV, pequenos negócios já representam 30% do Produto Interno Bruto do Brasil (PIB). Consequentemente, as pequenas e médias empresas têm se tornado foco dos criminosos cibernéticos, uma vez que sofrem com uma ausência de infraestrutura de cibersegurança e não possuem ambientes seguros, tampouco pessoas habilitadas/destinadas a cuidar de TI/Segurança de forma adequada.

Os principais ataques direcionados a elas com certeza são os ransomware –  código malicioso que torna inacessíveis os dados armazenados em um equipamento, geralmente usando criptografia – em que, na grande maioria das vezes, são implantados a partir de um phishing- técnica de engenharia social usada para enganar usuários e obter informações confidenciais, como nome de usuário, senha e detalhes do cartão de crédito.

Muitas vezes, os ataques direcionados às PMEs acontecem por falta de um plano de ação ou preparo caso ocorra um incidente de segurança, falta de ambiente de navegação seguro para os usuários, ou, quando presente, conta com proteções muito básicas. Não conscientizar os colaboradores é um fator muito comum nesses casos. Eles são alvos preferidos dos cibercriminosos por estarem em constante uso da internet – até para uso pessoal, como em redes sociais -, tornando um caminho muito fácil para vazamentos e golpes, levando a um prejuízo financeiro, tanto para a empresa quanto para os clientes.

Além disso, as empresas perdem valor competitivo frente aos concorrentes, sem contar a imagem negativa perante ao mercado, principalmente ao fechar negócios. Quase ninguém optará por ter relações comerciais com uma empresa que não é segura.

Por isso, são de extrema importância dentro do ambiente corporativo ações de  treinamentos e programas de conscientização voltados para todos os setores e áreas da empresa, focando como a internet deve ser utilizada em cada setor, e o que é permitido ou não. Além de mapear todos os dados que constam no sistema da companhia e também a definição da equipe responsável por cuidar da nova área de cibersegurança.

Quanto mais dependente do ambiente virtual e da tecnologia é o negócio, mais importante é manter os dados protegidos. As organizações que incluem esse investimento como prioridade já estão sentindo impacto positivo nos processos internos, com os clientes e também com os fornecedores.

*Denis Riviello, Head de Cibersegurança da Compugraf. Especialista de Segurança com mais de 20 anos de experiência em concepção e estruturação personalizada de áreas responsáveis por segurança da informação de grandes empresas, além de estar à frente das Áreas de Segurança de pré-vendas e Customer Success.

Fonte: TecMundo
Investimento em segurança da informação se torna vantagem competitiva em 2021

Investimento em segurança da informação se torna vantagem competitiva em 2021

Os ataques cibernéticos passaram a ser alvos de preocupação e entraram de vez no radar da maioria das empresas brasileiras, principalmente após a explosão de casos registrados ao longo de 2020. Como exemplo, uma pesquisa com mais de 3.200 executivos e profissionais de TI de 44 países, incluindo o Brasil, aponta que 57% das companhias devem aumentar os investimentos em cibersegurança em 2021 em relação ao ano passado. De acordo com análise realizada na Compugraf, empresa referência em segurança da informação, os investimentos em proteção estão se tornando um diferencial competitivo no mundo corporativo neste ano.

Além do prejuízo financeiro, as empresas perdem valor competitivo frente aos concorrentes, sem contar a imagem negativa perante ao mercado. Uma companhia que deixa de cumprir a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) perde pontos em todos os sentidos, principalmente ao fechar negócios. Quase ninguém optará por ter relações comerciais com uma empresa não aderente à Lei de Privacidade.

A consequência desse movimento também é por conta da LGPD, que entrará em vigor oficialmente em agosto e pode resultar em multas às empresas que não tratarem dos dados pessoais dos clientes. O descumprimento dela pode variar de 2% do faturamento bruto a R$ 50 milhões (por infração).

Grande parte do empresariado ainda tem a visão de que investimento em segurança da informação é somente essencial para as organizações de grande porte ou relatam que é algo fora da realidade deles. Existem pontos simples que as empresas podem e devem seguir e que são essenciais em qualquer cenário, deixando-as seguras e livres de multas. Elas devem identificar e cuidar de forma crítica de quatro pontos cruciais: pessoas, processos, ferramentas e documentos.

Preparação interna

Além dos investimentos, outra preocupação é a conscientização da importância da LGPD e de um ambiente de trabalho seguro entre os colaboradores, visto que em muitos casos essa é a porta de entrada para os ataques cibernéticos nas empresas. Nesse caso, é preciso focar como a internet deve ser utilizada em cada setor, o que é permitido ou não. Feito isso, inicia-se o mapeamento de todos os dados que constam no sistema da companhia e também a definição da equipe responsável por cuidar da nova área de cibersegurança.

O executivo argumenta ainda que quanto mais dependente do ambiente virtual e da tecnologia é um negócio, mais importante é manter os dados protegidos, uma vez que as empresas passaram a considerar a segurança da informação como um critério primordial para estabelecer novas parcerias comerciais. As organizações que incluem esse investimento como prioridade já estão sentindo impacto positivo nos processos internos, com os clientes e também com os fornecedores.

Via: CanalTech
Veja como se proteger do golpe do WhatsApp Clonado

Veja como se proteger do golpe do WhatsApp Clonado

O WhatsApp é um popular mensageiro, que acaba sendo alvo de golpes devido à grande quantidade de informações pessoais armazenada pelo app. Para se ter uma ideia, o WhatsApp clonado no celular de outra pessoa pode mostrar todas as mensagens em tempo real, ainda que não tenha o mesmo chip – o que, obviamente, coloca em risco a sua privacidade.

O próprio mensageiro oferece, inclusive, a verificação em duas etapas com um código pessoal, que pode ser ativado para maior segurança das suas mensagens. Para não correr riscos, veja como ativar a verificação em duas etapas e garantir maior segurança para o seu WhatsApp.

O código de verificação em duas etapas permite adicionar uma senha “extra” para ativar seu WhatsApp, que é solicitada no aplicativo ao reinstalá-lo ou esporadicamente, para garantir a privacidade.

Passo 1. Para ativar a verificação em duas etapas, pressione o menu do topo do WhatsApp e selecione “Configurações”.

Passo 2. Toque em “Conta” e selecione “Confirmação em duas etapas”.

Passo 3. Pressione no botão de “Ativar”. Em seguida, será necessário adicionar um código pessoal com seis dígitos (criado por você) e depois digitá-lo novamente para confirmar. Toque em “Avançar” em cada etapa.

Passo 4. Se preferir, adicione também um e-mail pessoal para recuperação do acesso e, ao final, confirme em “Concluído”.

Pronto, seu WhatsApp agora está configurado com verificação de duas etapas, sendo assim se um atacante clonar seu número, precisará saber o seu código pessoal.

Black Friday 2020: dicas para comprar com segurança

Black Friday 2020: dicas para comprar com segurança

Fique por dentro de maneiras para identificar possíveis armadilhas, evitar golpes e dores de cabeça nas compras

A Black Friday 2020 ocorre na sexta-feira, dia 27, e promete movimentar o comércio eletrônico em todo o país, com descontos e promoções. No meio de tanta tentação, é importante ter bons hábitos, pesquisar bastante e manter a calma para fugir daquele super desconto que, na verdade, esconde uma promoção enganosa ou até mesmo golpes. Veja dicas importantes para você navegar pelas lojas e aproveitar as promoções da Black Friday 2020 com segurança, evitando cair nas armadilhas de criminosos, ou mesmo nas mãos de lojistas que não operam com profissionalismo.

1. Verificar se o site é confiável

Um cuidado muito importante é garantir que o site da loja que você está acessando é verdadeiro, e não uma cópia criada para roubá-lo. Isso porque criminosos podem copiar a aparência de sites de lojas famosas e colocá-las no ar para tentar atrair usuários desatentos.

Apesar se serem idênticos aos sites originais, essas páginas falsas não podem reproduzir o mesmo endereço. Por isso, observe se o endereço do site está escrito corretamente, se não há letras faltando ou fora do lugar na URL, como em “submarno.com.br”, sem o “i”, ou “ameriicanas.com.br”, com um “i” a mais. Se você identificar algo assim, pode ter certeza de que se trata de um site falso criado por criminosos.

2. Pesquisar a reputação da loja

Sites como o Consumidor.gov.br e o Reclame Aqui são recursos importantes para investigar a reputação da loja, o nível de qualidade do serviço e também a postura da empresa ao se relacionar com clientes que, por ventura, tiveram algum problema.

Nos dois sites, você pode procurar o nome da loja, ler reclamações públicas e a réplica das marcas e comerciantes. Além disso, é possível analisar o histórico e nível de satisfação geral da comunidade em relação ao lojista.

3. Atenção com promoções via e-mail e redes sociais

Anteriormente, mencionamos o cuidado com sites falsos, que são colocados no ar copiando lojas de verdade como forma de enganar o consumidor desatento. Uma das maneiras pelas quais os criminosos conduzem usuários a essas páginas fakes são por ataques de phishing usando e-mails e redes sociais.

Nesses cenários, mensagens, posts e e-mails podem conter links para promoções que levam a esses sites falsos. A dica aqui é ser criterioso a respeito das promoções que você encontrar em redes sociais: confie apenas no perfil oficial da loja ou marca e sempre verifique com atenção se o site que está abrindo é verdadeiro.

4. Prefira pagar com cartão de crédito

Em geral, prefira usar cartão de crédito na hora de pagar suas despesas na Black Friday. Além da praticidade, o cartão é mais seguro: você tem meios de cancelar a despesa e pode recorrer à sua operadora para fugir de prejuízos se houver problemas com a loja ou se você for vítima de um golpe.

5. Não use redes Wi-Fi públicas

Redes sem fio de conectividade gratuita, comuns em espaços públicos, são úteis para que você acesse a Internet em caso de necessidade para uso trivial. No entanto, elas devem ser evitadas a todo custo quando você está mexendo com dinheiro e seus dados pessoais, como é o caso do processo de login e pagamento de qualquer produto pela Internet.

Esse tipo de rede de Internet é como uma terra sem lei, onde criminosos podem ficar à espreita monitorando o tráfego de quem acessa a rede. Nesse processo, um hacker pode acabar interceptando sua conexão com a loja ou instituição financeira, para, assim, ter acesso a dados pessoais e bancários.

6. Cuidado com promoções com preços muito baixos

Golpes com sites e promoções falsos, como os que discutimos anteriormente, só funcionam na medida em que são atraentes ao consumidor. Os preços precisam ser agressivos e abaixo da média a ponto de atiçar a tentação e fazer com que o usuário facilite e não preste atenção nos sinais de alerta. Para evitar essas situações, a dica é colocar os preços em perspectiva. Utilizando ferramentas de comparação de preços, como Compare TechTudo e Zoom, você pode aferir valores médios do produto que lhe interessa no mercado e julgar se a promoção suspeita condiz com a realidade.

7. Verifique as políticas de troca e cancelamento da loja

As lojas precisam ser claras a respeito de como procedem em situações em que o consumidor se arrepende e deseja trocar ou devolver um produto, obrigação que é determinada na Lei do E-Commerce (7.962/13). Além disso, é bom sempre lembrar que você tem o direito de devolver qualquer produto comprado pela Internet em até 7 dias corridos, contados a partir da entrega.

8. Aproveite recursos de segurança da operadora de cartão de crédito

Além de usar o cartão de crédito para fazer suas compras por conta da segurança inerente a essa modalidade de pagamento, você pode aproveitar alguns serviços complementares que as operadoras oferecem. Um deles é usar o cartão virtual temporário, que permite gerar um número de cartão de crédito aleatório, para ser usado uma vez. Assim que você paga a conta com esse cartão, ele deixa de funcionar. Isso significa que ele não pode ser usado novamente, mesmo que caia nas mãos de um golpista.

9. Confira se a loja existe

Outra fonte de dor de cabeça são sites de lojas falsas, que não necessariamente imitam lojas verdadeiras. Nesses casos, os criminosos criam uma loja virtual com site, nome e logotipo próprios. Então, usando preços e promoções agressivas, eles buscam atrair usuários para interceptar dados pessoais, além de obter dinheiro com boletos e transferências bancárias.

10. Documente a oferta e sua compra por meio de capturas de tela

Uma dica importante no processo de compra é lembrar de fazer capturas de tela durante todos os passos da sua interação com uma loja. Dessa forma, você pode documentar a página do produto – mostrando as informações que foram apresentadas a você – e usar as imagens como uma evidência, caso existam problemas.

O mesmo vale para material promocional que exibe uma oferta ou produto, assim como sua comunicação com serviços de atendimento das lojas. Essa documentação é fundamental se você precisar contestar uma cobrança indevida ou alguma irregularidade na forma como um site apresenta uma oferta com um valor, mas depois aplica outro preço mais alto na hora de pagar, por exemplo.

Fonte: TechTudo
Aumento de ataques cibernéticos na pandemia ameaçam as empresas; veja como se proteger

Aumento de ataques cibernéticos na pandemia ameaçam as empresas; veja como se proteger

Dados internacionais mostram que neste ano, o total de ataques de ransomware cresceu 148%. O ransomware é um tipo de malware que sequestra o computador da empresa e cobra um valor em dinheiro pelo resgate. Este tipo de vírus age codificando os dados do sistema operacional e faz com que o usuário não tenha mais acesso ao sistema.

Outros estudos revelam que cerca de 93% das cyber violações ocorrem devido ao chamado phishing, sendo o e-mail a porta de entrada mais comum em 96% dos casos de ataques de hackers às empresas. Neste tipo de crime, os atacantes induzem os funcionários a clicarem em links ou abrirem arquivos que liberam malware no sistema. Além dos criminosos poderem assumir identidades falsas em conversa com os funcionários das empresas com o objetivo de coletar dados confidenciais, o phishing pode também induzir os colaboradores a realizarem eventuais transferências de valores em moeda.

Justamente para se proteger desse cenário, as empresas começaram uma corrida para contratar seguros de risco cibernético. Para se ter uma ideia, entre janeiro e agosto, o mercado de seguros cibernéticos cresceu 63,9% em relação ao mesmo período de 2019, alcançando R$ 24 milhões em prêmio, segundo a Fenseg (Federação Nacional de Seguros Gerais).

Este tipo de seguro não é utilizado como forma de prevenir ataques cibernéticos, mas ajuda as empresas a se recuperarem em eventual ataque dessa ordem com a reparação de danos.

“A contratação do seguro não dá uma carta branca para a empresa deixar de adotar premissas de segurança relevantes, pelo contrário. O seguro somente será levado a efeito se estas estiverem presentes e devidamente monitoradas”

Entre os incidentes cibernéticos mais comuns estão: Invasões de rede, implantação de malwaresphishing, além daqueles derivados do comportamento inadvertido do usuário, que costuma ser sempre o elo mais fraco de uma cadeia de segurança.

Como se proteger?

No caso de empresas, a adoção de hábitos básicos podem protegê-las contra ciberameaças, como:

  • criação de senhas fortes
  • atualizações imediatas e frequentes de sistema operacional e softwares
  • solução corporativa de segurança de qualidade
  • backup CONFIÁVEL das informações críticas da empresa
  • antivírus de qualidade
  • filtro de proteção web

Além disso, é altamente recomendável oferecer treinamentos de conscientização em cibersegurança para que os funcionários possam identificar os riscos e trabalhar com segurança, seja em casa ou no escritório.

Para os usuários em geral, principalmente de smartphones, recomendações básicas e essenciais:

  • Ter um bom antivírus é fundamental; ele vai impedir a instalação de um app malicioso, ataques de phishing por WhatsApp, Messenger, e-mail etc.

  • Recursos de segurança nativos do sistema operacional do celular: para Android, é recomendável checar a opção de não instalar aplicativos de fontes não confiáveis; já no iOS, não é recomendável o jailbreak, já que a ação remove muitos recursos de segurança do dispositivo.

  • Garanta que o aparelho esteja sempre bloqueado com senha.

  • Realize atualizações e backups de dados frequentemente.

Sinais de que chegou a hora de formatar o computador

Sinais de que chegou a hora de formatar o computador

Lentidão… Travamentos… Vírus… Pane geral… … a temida Tela azul! Fim da linha, é hora de formatar seu computador. Estes são os sinais mais óbvios de que é hora de recomeçar sua máquina do zero.

Mas há outras razões que indicam o momento de resetar o PC.

Se você for vender ou doar o equipamento, trocar alguns hardwares ou, por exemplo, quiser mudar a versão do Windows, estas também são razões que indicam motivo para formatar o computador. Mas antes de tomar qualquer decisão, o mais indicado é conversar com um técnico em informática, dizer exatamente o que está acontecendo com a sua máquina e esperar o diagnóstico.

Além da notável lentidão e travamentos, a presença de vírus é outro indício forte de que a máquina precisa ser recomposta. Recentemente, a empresa de segurança digital Kapersky, fez uma lista de como identificar a infecção por um malware. Se você notar bloqueios inesperados, atividade elevada do disco rígido – que pode ser percebida pelo próprio acionamento da ventoinha quando você está apenas fazendo atividades normais, janelas estranhas indicando problemas de acesso ao sistema, programas que abrem sozinhos ou não respondem aos seus comandos e até a desativação inesperada do seu antivírus, pode apostar, é quase certo que seu computador esteja infectado.

Há quem prefira tentar outras alternativas antes de partir para a formatação da máquina. Você pode, por exemplo, tentar uma solução de segurança diferente para limpar vírus mais comuns; algumas telas de erros mais simples ou problemas com drivers também podem ser resolvidos sem a necessidade de formatar. Acredite, formatar nem sempre é a melhor opção…

Se depois de uma análise e até consulta com um especialista a decisão for mesmo formatar o computador, alguns cuidados básicos podem garantir que a solução não se transforme em um problema ainda maior.

A formatação é certamente uma saída mais rápida do que, muitas vezes, tentar ficar caçando um problema difícil de ser identificado. Mas, como dissemos, é preciso fazer uma análise do equipamento primeiro e ter certos cuidados. Para quem preferir formatar seu computador por conta própria, além dos cuidados já mencionados, é bom ter algum conhecimento de informática também. Além do backup, certifique-se que a versão do sistema operacional que você tem para instalar é compatível com o equipamento e também que se vai ser possível (e fácil) recuperar todos os programas que você está acostumado a usar.

As novas versões dos sistemas operacionais, especialmente o Windows, trazem funcionalidades úteis e sofisticadas. Mas, normalmente, exigem mais do processamento da máquina. Computadores mais antigos – entre 5 e 7 anos – dificilmente suportam essas atualizações e o primeiro sinal de que isso aconteceu é uma irritante lentidão da máquina. Se este for o caso, mesmo com uma formatação, a performance original do computador não vai ser mais recuperada. E você vai ter que escolher: continuar com o sistema operacional antigo, investir na máquina ou trocar de computador.

Dúvidas sobre seu computador a MILK Systems está a toda disposição.

Fonte: Olhar Digital