56% das empresas solicitam ajuda de segurança somente após sofrerem ciberataques

56% das empresas solicitam ajuda de segurança somente após sofrerem ciberataques

Uma pesquisa realizada pela Kaspersky revelou que as empresas só buscam auxílio de proteção quando sofrem ciberataques perigosos.

Cerca de 56% das solicitações de Incident Response (resposta a incidentes de segurança) em 2018, segundo o relatório da firma de cibersegurança, foram feitas após as organizações terem sido vítimas de transações não-autorizadas, estações de trabalho criptografadas por ransomware e indisponibilidade de serviços.

A pesquisa também mostra que 44% dessas solicitações foram feitas após a detecção, mas enquanto a ameaça ainda estava em um estágio inicial. Muitos acreditam que o pedido de Incident Response precisa ser feito somente quando o ataque já ocorreu, mas especialistas de segurança da Kaspersky explicam que a medida também é capaz de detectar ataques ainda na fase inicial, evitando maiores danos.

Em ambos os casos, a Kaspersky explica que há possibilidade de existir um ataque em andamento, mas muitas vezes é necessário o apoio de especialistas externos para descobrir os efeitos da ameaça e se ela já foi interrompida.

Ainda no ano passado, 22% dos casos registrados aconteceram após a descoberta de possíveis atividades maliciosas na rede, enquanto outros 22% dos registros tiveram início quando um arquivo malicioso foi encontrado no sistema.

A pesquisa também descobriu que 26% dos casos de registros tardios foram causados por infecção de ransomware, e 11% acabam resultando no roubo de dinheiro. Cerca de 19% dos casos tardios foram detectados pelo spam das contas de e-mail, pela indisponibilidade de serviços ou por uma violação bem-sucedida.

Fora isso, o relatório mostra que, no ano passado, 81% das empresas que pediram a análise contavam com indícios de atividade maliciosa na rede interna, e que 34% apresentaram sinais de ataque direcionado avançado. Além disso, 54,2% das organizações financeiras foram atacadas por grupos especializados em ameaças persistentes avançadas, as APTs.