Risco de vírus em computadores de empresas no Brasil só aumenta

Risco de vírus em computadores de empresas no Brasil só aumenta

De acordo com uma nova pesquisa divulgada pela Avast, 15% dos computadores de empresas no mundo todo correm risco de infecção por vírus. No Brasil, especificamente, mais de dois em cada dez computadores corporativos (21%) estão atualmente em risco.

Conforme relatório da Avast, aumenta o risco de vírus em computadores de empresas no Brasil

As descobertas foram divulgadas no Relatório Global de Riscos para PC 2020 da Avast. A companhia analisou, por meio de inteligência de ameaças e detecção, a frequência dos ataques cibernéticos direcionados a PCs dentro de redes corporativas. De acordo com os dados do levantamento, a chance mundial de infecção por qualquer tipo de malware – isso inclui ameaças simples e avançadas – para um computador corporativo aumentou 4% no ano passado.

Embora as chances das empresas serem alvo de uma ameaça avançada sejam menores, a proporção é semelhante a todas as ameaças, com empresas com 5% (3% no ano anterior) de encontrar uma ameaça avançada e consumidores com 7% de chance ( 6% no ano anterior). Apesar do número de ameaças avançadas ser menor que o número de ameaças simples, elas representam as mesmas ameaças. As ameaças avançadas incluem malware disseminados por Estados nacionais, malware com empacotadores personalizados e recursos anti-emulação. Eles geralmente provêm de grupos criminosos que se concentram em taxas de infecção bem-sucedidas, garantindo que o malware que criam contorne a maioria das soluções de segurança que os usuários possuem.

“A taxa de inovação nas empresas é superada apenas pelo cenário de ameaças globais em rápida evolução. Infelizmente, isso significa que as empresas estão mais propensas a enfrentar crimes cibernéticos hoje, do que há apenas 12 meses atrás”, diz Luis Corrons, Evangelista de Segurança da Avast. “As empresas precisam adotar uma abordagem de segurança em camadas, para garantir a proteção na rede e nos endpoints como forma de mitigar as ameaças prevalentes e avançadas descritas em nosso relatório”.

Ranking de países com maior risco de infecção por vírus em computadores de empresas

No Vietnã, 46% dos PCs corporativos correm risco de ataques de malware, seguidos por 38% dos PCs corporativos em Bangladesh e por 35% na Indonésia.

Por outro lado, Irlanda, Suécia e Finlândia registraram a menor taxa de risco para empresas globalmente em 2019. Entre esses países, a Irlanda é sem dúvida o país com o menor nível de ameaça, sendo de apenas 11%. Notavelmente, essa taxa de risco aumentou a partir de 2018, quando três principais países de menor risco, Estados Unidos, Países Baixos e Irlanda, atingiram níveis de risco entre 8% e 9%.

O Reino Unido é o quarto país de menor risco, com 11% dos PCs corporativos em risco de exposição a malware. Em seguida, aparecem Japão, Dinamarca, EUA e Austrália, onde entre 11% e 12% dos computadores de empresas correm risco de infecção por vírus.

tabela paises infeccao por malware

Com centenas de milhões de usuários em todo o mundo, a Avast certamente possui uma das maiores redes de detecção de ameaças da indústria de segurança cibernética.

Metodologia

Inteligência de Ameaças: Este relatório é baseado em dados obtidos pela rede de detecção de ameaças da Avast entre setembro e outubro de 2019. Para fornecer dados estatisticamente relevantes, o relatório inclui dados de países, territórios e regiões com um tamanho de amostra de pelo menos 1.000 computadores usados por empresas.

Taxa de Risco Global: Para calcular as taxas de risco para o relatório, a Avast dividiu o número de computadores em que as camadas de proteção da Avast interromperam pelo menos uma ameaça pelo número total de computadores que a Avast protegeu ativamente no período de 30 dias.

Via: SeuCreditoDigital

Para garantir a segurança de nossos clientes corporativos, nós da MILK Systems disponibilizamos o MILK Defender, um antivírus gerenciado. Clique aqui para saber mais.

Seis coisas que você nunca deve fazer com o notebook

Seis coisas que você nunca deve fazer com o notebook

Conheça praticas que podem ser prejudiciais para seu aparelhos e devem ser evitadas

Por Fernando Sousa, para o TechTudo

Os notebooks têm como principal ponto positivo a portabilidade, mas, apesar de toda praticidade e mobilidade que oferecem, existem algumas particularidades na utilização deles que podem ser danosas para sua vida útil. Portanto, é interessante buscar alternativas aos tipos de uso para não ter problemas no futuro.

As práticas que podem ser adotadas são simples e não precisam de investimento algum.

1. Utilizar o notebook no colo

Essa talvez seja uma das práticas mais comuns de quem utiliza um notebook. Quem tem o costume de utilizar o dispositivo tão próximo de si pode perceber o quanto esses dispositivos aquecem durante sua utilização. Isso acontece principalmente nos ultrabooks, que, para manter o design mais fino, acabam comprometendo a vazão de ar do dispositivo.

Quando for utilizar o computador no colo, vale observar se seu corpo não está obstruindo as saídas de ar do aparelho, pois o aquecimento excessivo dos componentes pode levar à perda de desempenho. Se você joga no notebook, é ainda mais importante garantir que seu computador esteja numa posição que permita ao sistema de arrefecimento trabalhar com toda a sua capacidade.

2. Manter o notebook sempre conectado à tomada

Apesar da tecnologia das baterias já ter evoluído bastante, existem alguns procedimentos que podem ajudar os notebooks a manter o sistema energético mais saudável. É interessante que, ao menos uma vez ao mês, você utilize o computador desconectado da tomada até descarregar completamente. Isso auxilia na preservação e calibração do sensor de carga, inibindo, assim, o estado em que as baterias não sustentam mais a autonomia padrão de sua carga, algo bastante comum.

3. Transportar o notebook ligado

Quando você apenas fecha o notebook sem desligar, o hardware continua funcionando. Caso o dispositivo utilize HD tradicional, qualquer batida ou trepidação excessiva pode levar ao mau funcionamento do disco. Com isso você pode acabar tendo um erro na gravação dos dados, o que pode resultar em uma falha no sistema operacional ou até corromper um dos arquivos que possam estar em reprodução. Também é válido evitar movimentar demais seu notebook durante o uso. Caso isso seja inevitável, é interessante substituir seu HD por um SSD.

4. Pressionar a tela do notebook

A menos que você tenha um dispositivo com tela sensível ao toque, pressionar displays que não são preparados para esse tipo de interação pode resultar em danos no painel. Além de manchas na tela, um toque um pouco mais forte pode fazer com que o monitor apresente falhas mais graves. Em alguns casos, pode ser necessário, inclusive, substituir o painel.

5. Utilizar uma fonte que não é apropriada

Muitos dispositivos possuem fontes com conectores idênticos, porém, elas trabalham com uma voltagem específica para cada caso. Desse modo, utilizar uma fonte que não foi indicada pela fabricante pode trazer graves problemas para o seu notebook, inclusive com a possibilidade de queimar a bateria do dispositivo.

Quando utilizar uma fonte universal, o que já não é muito recomendado, vale observar se, além do conector adequado, a fonte permite que a voltagem seja ajustada para atender especificamente às exigências de seu dispositivo.

6. Deixar o notebook no carro

Essa dica vale principalmente para usuários que vivem em locais muito quentes. Caso o calor esteja muito forte, os carros costumam esquentar muito, e deixar um laptop dentro do veículo nessas situações pode levar a problemas sérios – principalmente se o dispositivo estiver ligado. A alta temperatura e a falta de ventilação, aliadas ao calor produzido pelo próprio computador são capazes de superaquecer os componentes. Dispositivos com carcaças mais simples podem inclusive sofrer deformações, dependendo da posição ou se têm algum objeto pesado acima.

Fonte: TechTudo