Tentativas de hacking a empresas crescerá em 2019

Tentativas de hacking a empresas crescerá em 2019

De acordo com a Malwarebytes, o ano de 2019 deverá ser um tanto complicado para aqueles que possuem empresas, pelo menos no quesito segurança online — mas, em compensação, bem mais simples para o usuário comum. Isso porque a empresa identificou uma tendência dos cibercriminosos de abandonarem os ataques e invasões a computadores de indivíduos e uma maior concentração nas invasões de grandes empresas e negócios.

Essa tendência é revelada no relatório 2019 State of Malware Report da Malwarebytes, que explica que os cibercriminosos estão sendo cada vez mais atraídos pelos grandes ganhos existentes na invasão de sistemas de grandes empresas e deixando de lado os ataques a computadores de pessoas comuns, que são mais simples de invadir, mas também geram ganhos menores.

De acordo com Adam Kujawa, diretor da Malwarebytes Labs, 2018 foi um ano bem intenso nas atividades de cibercriminosos, que diversificaram bastante suas técnicas de ataques para mineração de criptomoedas, criando dispositivos que visavam não apenas as plataformas Windows, mas também Android e Mac. Eles desenvolveram novas táticas de invasão a partir do navegador e criaram novas ameaças virtuais para roubarem dados e senhas dos dispositivos infectados.

Essa diversificação na atividade dos criminosos resultou em um crescimento de 79% nas contratações de serviços para detecção de malwares em empresas e escritórios em relação a 2017. E enquanto países como Estados Unidos, Inglaterra e Alemanha se mantiveram entre os locais onde mais houve tentativas de invasão, toda a região do leste da Ásia apresentou um aumento significativo na atividade de cibercriminosos tentando invadir servidores de grandes empresas.

Já entre os usuários comuns, a empresa detectou uma diminuição de 25 milhões de tentativas de invasão, passando de 800 milhões de ataques em 2017 para 775 milhões em 2018. A Malwarebytes não acredita que essa diminuição nos ataques a indivíduos e aumento nas invasões de servidores de empresa seja um caso isolado, mas sim uma tendência que deverá continuar acontecendo pelos próximos anos.

Fonte: CanalTech