Quais os riscos ao ignorar a segurança da informação?

Quais os riscos ao ignorar a segurança da informação?

O conceito de segurança da informação envolve uma série de ações de proteção que visam diminuir o risco de perda de dados, protegendo o valor, econômico ou pessoal, de uma organização.

Pode parecer que está ligada apenas a softwares e sistemas computacionais, mas esse conceito vai muito além, passando por equipamentos e, até mesmo, pessoas. Dentro de uma empresa, a segurança da informação pode ser definida como o grupo de políticas, métodos e processos que devem ser aplicados para garantir que a circulação de dados e informações seja controlada e segura, evitando assim que qualquer pessoa, que não seja autorizada, tenha acesso a tais elementos.

A segurança de dados é baseada em três pilares básicos.

Confidencialidade: Esse conceito está ligado à garantia de que a informação não poderá ser acessada ou visualizada por pessoas que não tenham autorização para tal, evitando vazamentos e garantindo a proteção de dados estratégicos.

Integridade: Dados íntegros são informações que estão sendo armazenadas e transferidas de forma correta, sem a menor dúvida acerca de sua fonte ou forma. Nesse sentido, pode-se confiar que nada foi alterado com o passar do tempo ou por manipulação de terceiros.

Disponibilidade: Para que a informação tenha valor, ela deve estar disponível, ou seja, gestor, colaborador ou qualquer outro interessado que tenha autorização deve poder acessar os dados em hora oportuna no exercício das funções.

Qual a importância da segurança da informação?

A segurança da informação detém poder estratégico, pois permite que empresas garantam a continuidade dos negócios ao mesmo tempo em que evitam que outras empresas ou pessoas tenham acesso a dados sigilosos.

No caso de falhas na disponibilização dos dados para o servidor, a análise final fica comprometida e a integridade também não é atingida. Com isso, ocorre uma visão errada da situação, levando a decisões equivocadas e possíveis prejuízos ou perdas de oportunidades.

Além disso, o número de ataques cibernéticos tem aumentado muito nos últimos anos, sendo que as empresas estão cada vez mais dependentes da tecnologia e o número de dispositivos conectados em rede é maior. Esse cenário cria uma série de vulnerabilidades que podem ser exploradas por pessoas mal-intencionadas na busca por informações confidenciais, visando obter alguma vantagem financeira por parte das empresas.

Segundo dados divulgados pela pesquisa Norton Cyber Security Insights Report, o Brasil está em segundo lugar no mundo no ranking do número de ataques de hackers, atrás apenas da China.

Um dos pontos responsáveis por esse crescimento é a popularização dos smartphones e a busca por mobilidade dentro das empresas em contraste com a falta de preparo de muitos prestadores de serviços de TI que não atualizaram suas políticas de segurança.

Qual é a norma regulamentadora da segurança da informação?

Em 2018, o Congresso Nacional aprovou a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei N° 13.709/18), uma nova regulamentação acerca do uso de informação por conta das empresas. Com ela, que deve entrar em vigor no meio do ano de 2020, as empresas terão muito mais responsabilidades.

Até então, os vazamentos eram tratados como problemas internos, sendo que muitas vezes as organizações que sofriam ataques não divulgavam tal informação na mídia com medo da reação do mercado. Contudo, de acordo com o texto da nova legislação, qualquer vazamento deve ser comunicado imediatamente à agência reguladora e aos titulares da informação, ou seja, os donos dos dados vazados, sob pena de multas e sanções.

Como aprimorar a segurança da informação na empresa?

Para as empresas se protegerem, não basta apenas utilizar boas práticas, é preciso garantir que não existam vulnerabilidades por meio de ações planejadas. Na sequência, alguns dos principais pontos a serem observados na hora de prestar serviços de TI, visando assegurar a proteção de dados.

Ficar de olho nas novidades do mercado

A tecnologia não para, por isso é preciso acompanhar as últimas novidades não apenas em tecnologia de proteção, mas também sobre quais são as tendências em invasão e quais são as técnicas que estão surgindo entre os hackers.

Manter tudo atualizado

Os hackers se utilizam muito de falhas de atualização em softwares e sistemas operacionais, o que demanda um controle eficaz sobre as rotinas de atualização. Em vista disso, é indispensável acompanhar os fornecedores, a fim de manter os softwares atualizados, sendo também preciso analisar o impacto de tais mudanças no negócio.

Criar políticas de segurança

Cada um dos colaboradores da empresa deve ser um agente de segurança da informação. Para tanto, é preciso que sejam criadas diretrizes claras de proteção e responsabilidade ao lidar com os dados da organização.

Estabelecer controle de acesso

A informação deve ser compartimentada, sendo que o acesso só deve ser liberado aos colaboradores que, devido às atribuições dentro da organização, têm interesse direto em um determinado dado, excluindo-se o restante.

Bloquear ações indevidas

O uso pessoal da infraestrutura de rede de uma empresa pode ser um problema de segurança, uma vez que o usuário navega por redes sociais e utiliza seu e-mail no ambiente da organização. Nesse contexto, o clique em um link suspeito pode gerar riscos. Para sua segurança a MILK Systems possui a solução MILK Web Shield, um filtro de proteção web com foco em segurança e produtividade.

Oferecer treinamentos

Apenas estabelecer uma política de segurança pode não ser o bastante em alguns casos, sendo necessário oferecer treinamentos completos aos colaboradores, visando evitar falhas e vazamentos de dados. Quando a MILK Systems assume a gestão da sua empresa, o treinamento a seus funcionários já está incluso. Clique aqui e saiba mais.

Investir em ferramentas de monitoramento

É preciso monitorar constantemente as atividades realizadas, de modo a garantir que nenhuma falha ou vulnerabilidade esteja ocorrendo. Fazemos isso pela sua empresa de forma automatizada.

Criar uma rotina de backup funcional

O backup é a última saída em caso de perda de dados. O ideal é seguir uma regra básica: três cópias, no mínimo dois locais diferentes e dois tipos de armazenamento para garantir a disponibilidade no caso de necessidade. Conheça a solução de backup oferecida pela MILK Systems

Via: TERRA