Sinais de que chegou a hora de formatar o computador

Sinais de que chegou a hora de formatar o computador

Lentidão… Travamentos… Vírus… Pane geral… … a temida Tela azul! Fim da linha, é hora de formatar seu computador. Estes são os sinais mais óbvios de que é hora de recomeçar sua máquina do zero.

Mas há outras razões que indicam o momento de resetar o PC.

Se você for vender ou doar o equipamento, trocar alguns hardwares ou, por exemplo, quiser mudar a versão do Windows, estas também são razões que indicam motivo para formatar o computador. Mas antes de tomar qualquer decisão, o mais indicado é conversar com um técnico em informática, dizer exatamente o que está acontecendo com a sua máquina e esperar o diagnóstico.

Além da notável lentidão e travamentos, a presença de vírus é outro indício forte de que a máquina precisa ser recomposta. Recentemente, a empresa de segurança digital Kapersky, fez uma lista de como identificar a infecção por um malware. Se você notar bloqueios inesperados, atividade elevada do disco rígido – que pode ser percebida pelo próprio acionamento da ventoinha quando você está apenas fazendo atividades normais, janelas estranhas indicando problemas de acesso ao sistema, programas que abrem sozinhos ou não respondem aos seus comandos e até a desativação inesperada do seu antivírus, pode apostar, é quase certo que seu computador esteja infectado.

Há quem prefira tentar outras alternativas antes de partir para a formatação da máquina. Você pode, por exemplo, tentar uma solução de segurança diferente para limpar vírus mais comuns; algumas telas de erros mais simples ou problemas com drivers também podem ser resolvidos sem a necessidade de formatar. Acredite, formatar nem sempre é a melhor opção…

Se depois de uma análise e até consulta com um especialista a decisão for mesmo formatar o computador, alguns cuidados básicos podem garantir que a solução não se transforme em um problema ainda maior.

A formatação é certamente uma saída mais rápida do que, muitas vezes, tentar ficar caçando um problema difícil de ser identificado. Mas, como dissemos, é preciso fazer uma análise do equipamento primeiro e ter certos cuidados. Para quem preferir formatar seu computador por conta própria, além dos cuidados já mencionados, é bom ter algum conhecimento de informática também. Além do backup, certifique-se que a versão do sistema operacional que você tem para instalar é compatível com o equipamento e também que se vai ser possível (e fácil) recuperar todos os programas que você está acostumado a usar.

As novas versões dos sistemas operacionais, especialmente o Windows, trazem funcionalidades úteis e sofisticadas. Mas, normalmente, exigem mais do processamento da máquina. Computadores mais antigos – entre 5 e 7 anos – dificilmente suportam essas atualizações e o primeiro sinal de que isso aconteceu é uma irritante lentidão da máquina. Se este for o caso, mesmo com uma formatação, a performance original do computador não vai ser mais recuperada. E você vai ter que escolher: continuar com o sistema operacional antigo, investir na máquina ou trocar de computador.

Dúvidas sobre seu computador a MILK Systems está a toda disposição.

Fonte: Olhar Digital
Dicas para saber se um boleto é verdadeiro

Dicas para saber se um boleto é verdadeiro

Conheça dicas para não cair em golpes de boletos bancários falsos

1. Analise o código do Banco

Analise primeiramente o código do Banco, pois cada Banco possui um código que fica no início do boleto antes do código de barras superior. O código do banco também é os três primeiro dígitos do código de barras, como pode ser visto na imagem abaixo. Para confirmar o código do banco você pode acessar o site da Federação Brasileira de Bancos Clicando Aqui.

2. Analise o código de barras

Em um boleto autêntico, o código de barras que aparece na região superior do documento deve ser o mesmo que aparece na parte inferior. Os três primeiros números da sequência correspondem ao código do banco emissor do documento — por exemplo, boletos do Bradesco sempre começam com 237, e os da Caixa, com 104.

Além disso, desconfie se o documento não for detectado por leitura ótica ou se alguma barra do código estiver ausente. Caso isso ocorra, é aconselhável entrar em contato com a empresa para saber se há algo de errado com o boleto emitido e checar a veracidade do documento.

3. Verifique a fonte de emissão do documento

Na maioria das vezes, os criminosos enviam o boleto falso por vias alternativas como e-mail, SMS ou WhatsApp, em vez de fornecê-lo por canais oficiais, como lojas virtuais de confiança. Por isso, é sempre importante ficar atento ao receber o documento por esses meios. Também evite pagar cobranças que chegam por e-mail ou pelos correios sem verificar a sua veracidade antes. O mais seguro é acessar o site oficial da empresa e realizar a emissão do boleto diretamente.

4. Fique atento aos dados do boleto bancário

Boletos fraudulentos costumam conter erros de português e de formatação, não apresentando os dados completos do beneficiário. Sendo assim, sempre verifique se o boleto contém informações como data de vencimento, CNPJ e nome do beneficiário. Caso note qualquer indício de fraude, procure a empresa listada no boleto e se certifique de que o documento é verdadeiro.

5. Observe o valor do documento

Em uma cobrança verdadeira, os últimos números do código de barra sempre são iguais ao valor do documento. Caso essas informações não coincidam, você está diante de um documento fraudulento. Além disso, outro alerta é constar um preço diferente no boleto quando a cobrança costuma ter um valor fixo.

6. Analise os dados do beneficiário

Outra forma de confirmar se o boleto é verdadeiro é verificar as informações do beneficiário, quando elas estão inclusas no documento. Por exemplo, é possível conferir em aplicativos do governo, como o CNPJ, se os números informados são autênticos e correspondem à empresa cujo serviço o usuário pretende pagar.

Também é aconselhável prestar atenção ao número de agência do beneficiário e buscar no Google a localização do banco. Nesse caso, se a loja tiver sede em São Paulo, mas a agência informada for de outro estado, o boleto pode ser fraudulento.

Fonte: TechTudo
Coronavírus eleva ataques cibernéticos: saiba como se proteger

Coronavírus eleva ataques cibernéticos: saiba como se proteger

Hackers se aproveitam de tema sensível para lançar golpes, roubar dados e extorquir vítimas

As ameaças digitais estão se aproveitando da preocupação das pessoas com a Covid-19. Com tantas pessoas em busca de informações sobre a doença, hackers enviam mensagens com notícias falsas fingindo serem informações reais da OMS (Organização Mundial da Saúde), de universidades de renome e de outras organizações, espalhando assim uma série de malwares criados para roubar ou alterar dados dos seus dispositivos e ter acesso irrestrito a arquivos, sejam eles corporativos ou pessoais.

Recentemente, a CISA (Agência de Infraestrutura de Segurança dos Estados Unidos) emitiu um alerta pedindo atenção aos golpes virtuais relacionados à enfermidade. Segundo a agência, os criminosos enviam e-mails com links para sites fraudulentos e anexos maliciosos, induzindo as vítimas a revelar informações confidenciais ou fazer doações para instituições que não existem.

Na lista abaixo, confira cinco dicas para evitar que você e seus colaboradores caiam em golpes, mantendo seus dispositivos e informações a salvo.

Tenha cuidado com seus e-mails

E-mails com logotipos parecidos ao da OMS ou de universidades famosas com um anexo para fazer o teste de coronavírus. Se você abrir o documento, más notícias. Quando é baixado, ele solicita a instalação de um programa que infecta seu computador com um malware. Outro golpe que tem sido comum é o de um link para um vídeo que mostra a construção dos hospitais temporários na China durante o surto de COVID-19 no país. Isto só para citar dois exemplos de truques que os hackers estão usando para invadir computadores no mundo todo.

Outra fraude comum é o envio de mensagens disfarçadas de documentos importantes sobre o COVID-19 ou relacionadas ao seu trabalho. O e-mail geralmente pede aos usuários para que baixem e abram vários anexos do Office. Acontece que estes anexos instalam tipos de vírus perigosos para sua máquina.

“A principal orientação nesses casos é: suspeite de todos os e-mails sobre o coronavírus. Evite clicar em links de e-mail suspeitos, fazer download de documentos desconhecidos e use apenas fontes confiáveis ​​para se informar sobre o COVID-19. Nunca revele informações pessoais ou financeiras por e-mail e sempre confirme a autenticidade de uma instituição antes de fazer doações”, orienta Dean Coclin, diretor sênior de desenvolvimento de negócios da DigiCert.

Lembre-se de deletar mensagens suspeitas de remetentes desconhecidos. E se tiver dúvidas sobre algum link que recebeu, entre em contato com seu suporte de TI.

Outra coisa importante é se certificar de que seu e-mail pessoal e de trabalho estão em dispositivos diferentes, pois se um dos correios eletrônicos for atingido por um hacker, o outro estará protegido. É muito comum que um vírus do seu e-mail pessoal também infecte um e-mail comercial.

Navegue com atenção

Enquanto circula por sites, mídias sociais e aplicativos, não abra e baixe arquivos de sites suspeitos, nem clique em qualquer link enviado em redes sociais. E mantenha todos os seus dispositivos com antivírus atualizado.

Proteja sua rede

Uma rede invadida pode significar acesso ao sistema por usuários não autorizados. Elimine essa chance controlando quem pode ter acesso a ela. Para isso use a Autenticação Multifator (MFA), ela garante que apenas usuários autorizados possam acessar sistemas controlados. Além disso crie uma senha forte para sua internet doméstica.

“Se você optar por usar seu dispositivo em uma cafeteria ou outro espaço público, tome cuidado com o Wi-Fi público e não confie em redes abertas. Sempre verifique se o dispositivo não está configurado para se conectar automaticamente a qualquer sinal Wi-Fi e, se estiver, desabilite esta função. Com estes cuidados, você já reduz bastante o risco de crimes cibernéticos “, explica Coclin.

Se necessário, use seu telefone como ponto de acesso e configure seu dispositivo para que ele fique no modo invisível ou oculto para os outros dispositivos conectados à mesma internet.

Home Office seguro

O risco de ataques cibernéticos é ainda maior agora no período de isolamento social ou quarenta, já que muitas pessoas estão trabalhando de casa. Nessa hora, adotar hábitos de segurança é mais importante do que nunca.

Além de seguir as dicas listadas acima, lembre-se de trabalhar em um ambiente seguro e de todas as noites guardar seus dispositivos em lugares fechados, como em armários ou gavetas. Nunca se afaste do seu computador com ele desbloqueado e não permita que outras pessoas da família usem seus dispositivos de trabalho. Tente sempre usar um computador apenas para o trabalho e outro pessoal, que pode ser compartilhado com a família. Além disso, siga as diretrizes da equipe de TI da empresa e relate a ela qualquer problema ou e-mail suspeito que você receba.

Backup

Lembre sempre de verificar seus Backups. BACKUP (cópia de segurança) dos seus dados é um procedimento indispensável para o funcionamento do seu sistema de computadores. Talvez você nunca precise utilizá-los, porém é melhor prevenir. O backup é a única forma de recuperar informações em caso de desastres.

Fonte: CIO